Últimas Notícias

Post Top Ad

Your Ad Spot

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Baiana pede indenização de R$ 571 mil a Bolsonaro por tratamento precoce

 Quarta, 20 de Outubro de 2021 

Baiana pede indenização de R$ 571 mil a Bolsonaro por tratamento precoce
Foto: Igo Estrela/Metrópoles

Uma advogada de 34 anos entrou com uma ação na Justiça Federal da Bahia para que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a indenize em mais de meio milhão de reais por ter divulgado o "tratamento precoce" contra o novo coronavírus, mesmo sem haver eficácia cientificamente comprovada.

 

Conforme divulgado pelo Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias, Manuela Menezes foi diagnosticada com Covid-19 duas vezes neste ano. Ela chegou a ficar internada e foi tratada com azitromicina e ivermectina, fármacos que compõem o chamado kit Covid, divulgados por Bolsonaro para uso contra a doença.

 

Segundo a publicação, o médico que a atendeu teria citado o presidente da República para convencê-la a usar os remédios. Hoje, a advogada tem sequelas devido à enfermidade, como queda de cabelo e perda de memória.

 

Manuela é moradora de Feira de Santana e cobra R$ 571 mil da União. A ação será julgada na 1ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária da Bahia (SJBA).

 

"Tenho problemas psicológicos e físicos. Estou tomando medicamentos devido às sequelas que tive da Covid e um dos efeitos colaterais é estar proibida de dirigir. São remédios para pessoas que têm acima de 70 anos, para memória", relatou a advogada, em conversa com o Metrópoles, por telefone.

 

"Estou passando situações vexatórias no meu trabalho. Tenho dores de cabeça diariamente. Não consigo nem mais pentear meu cabelo com rabo de cavalo, pois meu cabelo cai muito deste então, tenho vários buracos. Cheguei ao ponto de pensar se foi bom ter sobrevivido à Covid; se isso é uma benção ou uma maldição. O que espero de um governante é que ele seja responsabilizado. Queria que as autoridades tivessem mais atenção aos sobreviventes do vírus", acrescentou Manuela.

 

De acordo com a ação, Manuela testou positivo pela primeira vez no início deste ano, em 28 de fevereiro. Ao ser atendida por um profissional médico, Manuela recebeu a prescrição para se tratar com o que o presidente Bolsonaro alardeava à época como sendo "tratamento precoce".

 

A advogada tomou azitromicina, ivermectina, decadron, unizinco e addera. "Saliente-se que a autora recebeu tratamento considerado pela própria fabricante do remédio como ineficaz ao resultado esperado contra a Covid-19. A despeito dessa ineficácia, a autora confiou no procedimento médico, uma vez que o profissional se dizia conhecedor da confiabilidade do tratamento, e, ainda, usando como argumento de reforço para fins de convencimento, os discursos do presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre a viabilidade daqueles remédios os quais estava prescrevendo", acrescenta Lucas Correia de Lima na ação.

 

"O kit de medicamentos imposto à autora, que, desconhecedora de expertise médica, foi submetida a tratamento precoce à revelia das nefastas consequências, não surtiu efeito de prevenção ou cura à Covid-19. Prova disso é que a autora foi infectada novamente pela moléstia", continua o defensor.

 

Caso ganhe a ação, Manuela irá direcionar o dinheiro a fundos de Saúde de Feira de Santana e da Bahia, "com determinação do uso de valores para o combate e tratamento de Covid-19".

 

Em nota enviada ao Metrópoles, a Advocacia-Geral da União (AGU) informou que não houve intimação no mencionado processo. A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República também foi procurada mas não se manifestou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Your Ad Spot