Últimas Notícias

Post Top Ad

Your Ad Spot

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Em despedida, desembargadores dizem que Socorro se revelou grande administradora do TJ

por Cláudia Cardozo
Em despedida, desembargadores dizem que Socorro se revelou grande administradora do TJ
Foto: TJ-BA
A eleição da desembargadora Maria do Socorro para presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), em 2015, era uma sinalização de que o tribunal queria viver momentos de paz. Na época, a avaliação dos corredores era que Socorro, com sua veia artística, traria leveza ao tribunal, e poderia tirar o órgão do furacão das diversas notícias sobre a eficiência da Corte. E na última sessão plenária conduzida por ela, ocorrida na manhã desta quarta-feira (24), foi esta a avaliação de seus pares. O desembargador José Edivaldo Rocha Rotondano a comparou com “bolas de sabão”, por não ter asas, mas voar pela leveza e não carregar consigo “tristezas e desilusões”, por viver apenas o momento. Segundo o desembargador, "Socorrinho", assim chamado pelos colegas de toga, “se revelou uma grande administradora, uma pessoa que conquistou o coração de todos”. “Nunca nos sentimos tão amparados, tão bem apaziguados emocionalmente, como nesse período que a senhora passou à frente desse Tribunal de Justiça da Bahia”, afirmou. Ele lembrou que, desde que chegou no TJ, há cerca de cinco anos, trabalhou com ela, e sempre a chamou de “Irmã Dulce, Dulcinha do Coração” e confessou que os desembargadores não tinham o “conhecimento da grande administradora, da grande política” que ela foi nesse período. Também destacou que foi com ela que o tribunal conquistou o Selo Ouro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Foram quase duas horas de homenagens desfiadas pelos colegas de tribunal. E, em meio a lágrimas, ela recebeu os aplausos dos participantes da sessão plenária. Oficialmente, ela ocupa o posto mais alto do tribunal até o dia 31 de janeiro, quando realizará as últimas inaugurações de sua gestão. No dia 1º de fevereiro, assume seu sucessor, o desembargador Gesivaldo Britto, que afirmou estar “morrendo de inveja” da presidente pelos elogios. “Vou ter que me esforçar mais e mais”, disse. “Peço a Deus que eu consiga fazer o mínimo que vossa excelência fez pelo tribunal. Eu não vou largar seu osso. A gente tem que aprender as coisas, consertar as coisas ruins e seguir em frente”, disse Gesivaldo a Socorro. Representando a chefe do Ministério Público da Bahia (MP-BA), Ediene Lousado, a procuradora-geral Adjunta, Sandra Mandra, se pronunciou. “O Ministério Público não poderia se desincumbir da missão que lhe cabe, que a direita do juiz, a direita da presidência, do magistrado, dizer da harmonia e da convivência que tivemos nesses dois anos. Eu lhe conheci há pouco, no Conselho da Magistratura, e posso assegurar que vossa excelência nesses dois anos de turbulência que vive o país foi a maior, a melhor surpresa, a maior e melhor aquisição que órgão público da relevância do Tribunal de Justiça da Bahia teve nesses dois anos”, avaliou. Parafraseando Roberto Carlos, ela disse que "o quanto é grande o meu amor por você”, e que neste tempo estreitou “laços institucionais e afetivos”. “Eu desconheço um líder que tenha saído sem nenhum desgaste como vossa excelência está saindo desse tribunal”, ponderou. Socorro fez questão de agradecer pelos elogios. “É impossível alguém ouvir tanto e conseguir se expressar. É impossível. Eu só tenho a dizer aos senhores que estou segurando desde o início da primeira fala para não chorar. E acho que não vou conseguir. Depois de dois anos de tanto amor, de tanta cooperação, de tanto sentimento, de tanto afeto, eu só tenho por todos que dizer muito obrigada. Muito obrigada, meus amigos, meus colaboradores, meus guias. Até a próxima sessão com desembargador Gesivaldo, se Deus quiser, e ele quer”, finalizou a sessão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Your Ad Spot